segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

domingo, 23 de dezembro de 2012

Night' Music (92) - The Zombies - Time of the Season

The Zombies - Time of the Season


O Século XX em Imagens (XII)

 
Charlie Chaplin
 
 
Catherine Deneuve
 
 
LeCorbusier
 
 
Marcello Mastroiani

sábado, 22 de dezembro de 2012

Fashion Blogger Again, a Saúde a dar Boas Novas e Tempo de Descompressão

Já vos tinha dito que esta época é a de mais trabalho para mim, e quando tenho tempos livres, a minha cabeça e o meu corpo só respondem ao aliciamento do estirar no sofá ou na cama para descansar, ou esparrar-me nos mesmos sítios para ver uma ou outra série de televisão (maravilha, esta inglesa de que terminou agora a 1ª temporada - pois! espero que haja mais - "Chamem a Parteira" (Call the Midwife), e a "Whitechapel", que é mesmo qualquer coisa do outro mundo (já nem falo da "Downton Abbey, de que espero ansiosamente pela transmissão do especial Natal no 1º dia do próximo ano) e mete todos os CSI's no bolso (faço justiça a Homeland, realmente de qualidade incomum, comparada com outras da mesma procedência).
Mas não tem sido só o trabalho a afastar-me do computador e do blog. A verdade é que anteontem, dia 20, tinha uma visita muito importante ao IPO. Afinal, há mais de 6 meses que a minha garganta não era inspecionada, quer por médico, quer por TAC, e quando estas visitas se aproximam, apesar de ser um tipo relativamente calmo e aceitar com facilidade o que a vida me oferece - no caso, nem por isso muito bom - e tendo em conta as minhas experiências anteriores pouco agradáveis, apodera-se de mim uma apreensão pouco habitual (por vezes a roçar uma certa angústia), que como que me tolhe a vontade e inspiração para escrever o que quer que seja.
E esta era uma data tão importante também, porque se perfazia um ano e meio desde que os tratamentos de radioquimioterapia tinham acabado e, juntamente com uma TAC a fazer em princípios de Fevereiro, determinará do quase-sucesso do tratamento. Quase, porque "gato escaldado...". Bom, e o que é certo é que a laringe parece sã como um pêro. apresentando-se de um rosa que há muito não se lhe via, embora continue sensível a certos alimentos.
Ora aí está, tirei um peso de cima, de 5ª para 6ª já dormi mais descansado, descomprimi, e apeteceu-me laurear a pevide e vestir-me com o propósito de me atirar a um belo almoço (que acabou por ser mão de vaca com grão, e espero que não me venham a culpar por um inusitado aumento do buraco de ozono e do efeito de estufa).
E até acabei por me esmerar um pouco mais que nos últimos quinze dias. Assim, fui buscar um fato de lâ/caxemira aconchegante, uma camise mille rayons e acabei por compor o modelito com uma gravata de lã e uns loafers da C&J cor de tabaco. E como sei que alguns de vós gostam de estar a par, até deixo aqui umas fotos tiradas na ocasião, só para confirmarem-
 
 
 
 

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Clubes de Golf, Regras Absurdas e Michael Jordan e o seu amor às Cargo Pants

Há uns dias, um dos maiores ícones do desporto do século XX, Michael Jordan, o ex-basquetebolista dos Chicago Bulls (para mim pessoalmente, o maior), foi expulso de um clube de golfe na Florida. Motivo: Jordan desrespeitou o "dress Code" do clube, ao usar cargo pants, peça de roupa de que o multimilionário ex-craque se confessa indefectível. Tanto, que preferiu aceitar a ordem de expulsão, a prescindir do seu uso aquando da prática do seu agora desporto preferido.
Todos sabemos que muitos destes clubes têm regras...digamos...originais, para não lhes chamar ridículas, de que aqueles clubes ingleses que proibem terminantemente a entrada de mulheres nas suas instalações são só um exemplo extremo. Como diria Groucho Marx "Nunca pertenceria a um clube que aceitasse um tipo como eu como´seu sócio". Mas também só se inscreve quem quer, e quem o faz, deve ter consciência das regras´a que se sujeita.
Contrastando com a admiração que tenho por Michael, confesso a minha pouca simpatia pelas famigeradas cargo pants, não só por ser uma moda que emanou dos quartéis e eu sou o mais anti-militarista possível, como as acho profundamente inestéticas com aqueles bolsos de lado, que têm a triste tendência para rapidamente se transformarem em autênticos alforges, sendo que o meu padrinho, o meu guru em questões de estilo, sempre me disse que os alforges são de uso exclusivo dos burros. Felizmente, uma coisa são as modas e essas passam depressa, outra é o estilo, e esse permanece sempre e é o que define o bom ou mau gosto do sujeito.
No caso, e tendo em conta que a liberdade individual se sobrepõe sempre a qualquer questão de moda ou estilo, se Jordan entende que as cargo pants lhe são essenciais, fez muito bem em preferir a saída a aceitar uma regra que considerou absurda, opinião que com ele partilho, apesar da minha manifesta aversão a tal peça de vestuário.
Por outro lado, reafirmo que talvez MJ se devesse ter informado a que se obrigava, antes de se inscrever no clube "cargo pants not allowed". Provavelmente, terá pensado que tê-lo como sócio, seria uma questão de prestígio para a agremiação, o que, pelos vistos não pesou na decisão dos responsáveis da instituição.
Ou talvez tudo não passase afinal de uma questão cromática, sempre tão cara aos americanos. 

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

O Século XX em Imagens (XI)

 
Robert Redford
 
 
Brigitte Bardot
 
 
Mahatama Ghandi
 
 
Marlon Brando

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Ravi Shankar - 1920/2012

Eis duas canções influenciadas pela música de Ravi

 
The Beatles - Within You, Without You/Tomorrow Never Knows
 
 
The Rolling Stones - Paint it Black

A Revolta Dos Baldes de Estrume


Pois é, ao fim de mais de uma semana, cá estou de volta ( hope someone missed me...or not), mas desta vez, as faltas são mais que justificadas. Na verdade, na verdade vos digo (digam lá se não parece que estão na missa a ouvir o padreca a debitar os salmos ou lá o que é) que esta é a época mais trabalhosa do ano (e não, não sou o Pai Natal nem nenhum dos ajudantes, e muito menos o Rudolph...isto já me parecem parêntesis a mais) e quando não estou embrenhado no trabalho, estou a descansar para poder voltar de novo a trabalhar, excepto à noite, altura em que estou a dormir, ou coisa assim. Bom, mas apesar de tudo, não me esqueci do que me propus fazer, e assim, vou continuar com a atribuição dos restantes prémios "Balde de Estrume", até porque os próprios Baldes se revoltaram porque queriam conhecer rapidamente os legítimos donos, além de que o assunto já cheira mal.
Assim, o próximo
- 4º, e para não fugir às figuras televisivas, tem como destinatária a figura equina de Teresa Guilherme e o seu cabeção à Marquês de Pombal louro recauchutado, essa alcoviteira profissional que consegue estragar relações e provocar incidentes entre espectadores dos seus programas com a mesma facilidade com que o Passos Coelho e o Gaspar nos esvaziam as carteiras. Sinceramente, um homem que case com uma mulher assim (Henrique...amigo...só posso imaginar o que passaste, valeu que não durou muito). tem que ser possuidor de uma costela (ou duas) bem masoquista.
- o 5º Balde - que também se podia chamar "o maior erro de casting da TV" - vai para a desgraça que é como apresentadora de entretenimento a Conceição Lino, mas a culpa não é só dela, coitada, foi de quem a pôs a fazer um programa daqueles, que a mulher até estava tão jeitosa  no programa anterior.
- o 6º Balde - que também se podia chamar "ai, ai, que è desta que me cai o céu em cima como ao Asterix", vai para o Prof. Medina Carreira e por uma razão simples, aquele homem é o apocalipse ele próprio, é a personificação da Lei de Murphy: "ah! vocês pensam que isto está mau? Pois acreditem que ainda está bem pior" E lá ficamos nós predispostos para uma bela noite de pesadelos.
- o 7º Balde vai para o pior comentador desportivo do mundo, o seboso Rui Santos. Tudo naquele homem é rançoso e cheira a ódio. Na sua perspectiva, ele seria o treinador e presidente ideal para Sporting, Benfica ou FCPorto, e não podendo ser assim, é só metê-lo a fazer um programa no principal canal da SIC em horário nobre, e arrasa com todas as audiências. Aquele tipo, se a vaidade inchasse realmente, a esta hora andaria a pairar sobre Lisboa como um balão de ar quente.
- o 8º Balde vai, não para um, não para dois, mas sim para três sujeitos unidos pelo sagrado laço familiar: os inefáveis Carreira. Cada vez que os vejo, vem-me ao nariz um cheiro a azeite...Eh pá, o paizinho plagia coisas do mais azeiteiro que há, em vez de voz tem capachinho e por aí fora! Tudo bem! Mas levar também com as crias? Claro, as bimbas e as sopeiras (ainda existem, pois. pelo menos a mentalidade) já andavam histéricas. Faltava conquistar as pitas. É muito sofrimento!

Bom isto já vai comprido. A seguir vêm os políticos. Esperem-lhe pela pancada.

sábado, 1 de dezembro de 2012

O Século XX em Imagens (11)

 
Jack Nicholson
 
 
Jack Kerouac
 
 
Katharine Hepburn
 
 
Howard Hawks

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Grandes Pémios "Balde de Estrume"

Eu sei, já devia ter atribuido os grandes prémios“Balde de Estrume” na 2ª feira passada, mas como dizia o poeta que a vida é feita de mudança - no meu caso, a vida é feita de percalços - a verdade é que 2ª e 3ª feira, algo inusitado me impediu de escrever e assim, atribuir os anunciados prémios.
Mas cá estou de volta, e desde já apresento uma foto da tão ansiada estatueta, que, acredito, irá ser muito disputada.
Antes de passar a referir os meus eleitos, uma nota: levei em conta as opiniões de quem quis dar a sua opinião, e há entre os indicados um que eu não nomearia nunca: José Rodrigues dos Santos. A explicação é simples: posso concordar que terá os seus defeitos como toda a gente e que o modo de transmitir as notícias possa não ser o melhor (eu acho que os há bem piores, e como considero o noticiário da RTP o mais isento de entre as generalistas, sempre se pode dar um desconto ao mensageiro) e até se pode embirrar com o piscar de olho final . para mim, é como se fosse um aperto de mão de despedida – mas as excelentes entrevistas que lhe tenho visto fazer a vários escritores, nomeadamente uma memorável ao extraordinário Umberto Eco, salva-o de qualquer espécie de embirração da minha parte.
Mas vamos então aos Prémios:
- o 1º Balde vai para o mais horripilante casal de apresentadores das manhãs de TV: o inefável Goucha e a bimba Cristina, que, como dizia há dias o Herman, é uma rapariga com o estilo de caixa da Makro a quem puseram em cima de uns Louboutin (veio-me agora à ideia a imagem da “Gabriela” a tentar andar de saltos altos, e a CF é mais ou menos assim, mas com uns meses de treino e com a voz da sirene dos Bombeiros Voluntários de Freixo de Espada à Cinta). Além das bichezas do Manelinho (lá me vem outra lembrança: a do inesquecível Nélio do Herman), ainda se leva com as alarvidades da Tininha. Como aquilo é um programa que, dizem, tem como público-alvo as donas de casa e os reformados, não admira muito que as estatísticas assinalem um aumento substancial da percentagem de idosos com comportamentos desviantes (aumentaram fortemente os casos de assédio sexual em lares de 3ª idade) incremento de casos de surdez e demência, além de incidentes de violência doméstica.
- o 2º Balde vai – e aqui já levo em conta as opiniões expressas por alguns dos meus queridos leitores – para Daniel Oliveira. Meuas amigos, não há mais ninguém que de tão bonzinho, se torne tão rançoso. Dá bem ideia do nível intelectual da nossa “inteligentzia” e particularmente de muitas figuras do nosso show-biz a forma como se submetem a interrogatórios parolos e a puxar à lágrima fácil. Tão sensíveis que nós somos!
- o 3º Balde vai – imaginem – para uma das pessoas que mais admiro no panorama televisivo de há uns 30 anos para cá: precisamente o Herman José. O Herman continua a ser o nosso maior humorista, mas o seu programa de entrevistas…credo! Sem sequer sair da língua portuguesa, comparar o Herman 2012 com o “Programa do Jô”*, é quase a mesma coisa que comparar a estrada da beira com a beira da estrada. É que só se safam mesmo os brilhantes sketches!
Herman, faz-nos um favor, arranja-nos qualquer coisa à imagem da inesquecível “Herman Enciclopédia”. É que para Late Shows já temos o “5 para a Meia-Noite”, que nos serve muito bem.
 
(continua)

domingo, 25 de novembro de 2012

A Atribuição dos Grandes´Prémios "Baldes de Estrume"


Não sei se já fizeram as contas à quantidade de prémios anuais que são atribuidos por esse mundo, seja a que pretexto for: são os Óscares, os Nobel, o/a Mais Sexy, os Bafta, os/as Mais Bem Vestdos, os Grammy, os/as Face Model of the Year, e por aí adiante.
Confesso que aqueles a que acho mais piada são os Razzie Awards (quem não souber o que são, é só procurar na Wikipédia). Ora bem, e a que propósito vem isto agora? Bom...não sou um tipo com muito mau feitio, e nem sequer cultivo ódios de estimação, mas tenho que confessar que há coisas, pessoas, situações, com as quais embirro solenemente. Isto, ligado ao facto de ultimamente ter acordado regularmente com vontade de implicar com tudo e mais alguma coisa, fez-me decidir a instituir eu próprio os meus próprios galardões, a que decidi atribuir o original nome de "Balde de Estrume".
Se reflectirem bem, a época não podia ser mais apropriada, uma vez que os/as felizes contemplados/as os vão tomar como mais uma espécie de prenda de Natal (faço tudo para que toda a gente se sinta feliz)
Contudo, e embora tendo já em vista alguns dos felizes contemplados, deixo em aberto algumas sugestões da vossa parte, porque a listagem definitiva só será publicada na próxima 2ª feira, mas um dos prémios já está definitivamente decidido, e será atribuido a....tcharan!
- Mário Crespo e seu ressabiamento em relação à RTP (ainda não é desta que consegues ser nomeado para Washington, oh! bimbo! contenta-te com um "Balde de Estrume" bem cheio).
Portanto, estão à vontade, aguardo algumas sugestões pertinentes, pois farei minhas as vossas embirrações.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Atenção! Este não é um Fashion-Blogger post, mas sim um post sobre cachemira (não a região e sim o tecido)

O tacto é um dos sentidos que mais me influencia quando se trata de vestir. Aliás, embora me pareça que seja um sentido pouco "considerado", acaba sempre por ter uma importância decisiva nos nossos quartos: há quem só goste de dormir em lençóis de seda ou cetim (eu prefiro o bom lençol de linho do Egipto), há quem não prescinda da lingerie de seda (eu prefiro uma pele sedosa, seda, só gravatas e lenços de bolso), mas definitivamente, quando se chega a esta altura do ano, do que eu não prescindo é mesmo do toque da cachemira no que diz respeito ao guarda-roupa (e vem isto, a propósito deste post do Bruno).
Assim, e como se pode constatar nas imagens, seja casaco, seja pullover ou gravata, sempre a caxemira a casar com a flanela das calças, a popelina da camisa e a lã das argylle. A mim, o tacto da caxemira, dá.me o mesmo aconchego que o calor da lareira ou do serão em família. Quem prefere outras texturas, pode sempre argumentar com os preços, muitas vezes pouco convidativos das peças em cachemira. É evidente que o serrubeco é incomparavelmente mais barato. Mas em contrapartida, com uma boa cachemira estamos sempre a salvo de uma inconveniente doença de pele a não ser que sejamos alérgicos a coisas boas.

 
 
NOTA: - Nas fotos acima, só o casaco e o pullover são de cachemira!

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

O Século XX em Imagens (10)

 
Fred Astaire
 
 
Jean Seberg
 
 
John F. Kennedy
 
 
John Wayne

O Segundo Fôlego, as causas da ausência, outras imbecilidades e a exposição de umá Dúvida Crucial

Bom...confesso: tem sido difícil, apóS a viagem às Beiras, dar um segundo fôlego ao blog. Deve ter sido da lembrança e habituação às noites de volta da lareira, dos cheiros a pinho e eucalipto a crepitar, dos enchidos dependurados no varal e das febras assadas directamenta sobre as brasas, só com uma pitada de sal a condimentar...hum...deve ser qualquer coisa nesse género
Ou então, é  porque da primeira vez que pego no computador e me ponho a escrever, parto uma unha. Primeiro pensei "que se lixe, não é nada". Mas depois, ponho-me no papel da Etelvina que exclamaria: "Porra lá para a trampa do pc! Lá se foi uma das minhas nails que me custaram um balúrdio e mais um bocado! Deve ser maldição para não me chegar à máquina do diabo!" E pronto, também pode ter sido um forte aviso.
Enfim, pode ter sido qualquer coisa que tenho que ver se a partir de agora afasto de vez, e me deixo regressar às "obrigações" diárias pelo universo virtual.
 
Entretanto, de vez em quando tenho assistido a alguns episódios mais picantes da Casa dos Degredos (o que me tem fornecido um acréscimo de cultura substancial), passado muito, mas mesmo muito brevemente por aquele espectáculo etéreo em que uns seres dançam com a mesma leveza que um elefante atravessa o rio saltando de nenúfar em nenúfar, iniciei a pesada leitura (são quase 1.000 páginas) da "Queda dos Gigantes", e continuado a entreter-me com as minhas séries favoritas, que neste momento são "WitheChapel", "Midsomer Murders", "Downton Abbey", "Segurança Nacional", e outras de importância menor na minha felicidade.
 
P.S. - Já agora: Alguém me explica  porque será que os médicos que fazem operações de estética quando vão à televisão, se apresentam sempre vestidos como se fossem operar os entrevistadores e com aqueles barretesinhos ridículos e um bocado apaneleirados?

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

O Século XX em Imagens (9)

 
Jean Gabin
 
 
Pierre Auguste Renoir
 
 
Jane Russell
 
 
Sean Connery

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

No Fim do Arco-Íris

 
No fim do arco-iris
Encontrarei o que procuro
Um canteiro
de amores-perfeitos
para regar
Um ribeiro prateado
e saltitante,
Uma sombra larga,
Um balão colorido
Para poder voar,
Um campo verdejante

Lá ao longe
pintando de azul
o horizonte,
Um imenso mar.

A vida plena
A alma perdida
O teu olhar...

Adormeço...
...continuo a sonhar