quinta-feira, 12 de abril de 2012

Shaken, Not Stirred

Os sonhos são uma chatice: uns porque não acabam quando deviam - os pesadelos - os outros porque acabam antes do que deviam. Ainda esta noite, por exemplo, não acabou antes de eu cair nas cataratas - logo eu, que além de não saber andar de bicicleta, tenho horror a alturas e nado pouco - e terminou na altura em que estava para ser apresentado à Kate Beckinsale, que estava lá ao fundo da sala a galar-me descaradamente há mais de meia hora. Entretanto já tinha emborcado quatro martinis "Shaken, not stirred", armado em James Bond, e as minhas pernas estavam como as pestanas da Kate a piscarem para mim - a tremelicar - e também como os seus lábios - entreabertas (sempre é mais decente dizer que eram as minhas pernas a estar entreabertas do que as da Kate). O mais trágico é que, se ao princípio eu nem sabia onde estava, depois dos cinco martinis "Shaken, not stirred", ainda pior. E as conversas não ajudaram. Como aquela do Al Pacino ir rodar um filme romântico com a Silvia Saint  ( ou Sylvia Saint, ou assim)  e se é verdade, desta é que dá um avc ao desgraçado do Pacino, embora me pareça que a matéria de que os sonhos são feitos não sejam muito de confiar, além de que é reconhecida a falta de talento da Silvia Saint, quer para o inglês, quer para o diálogo, a não ser que, à semelhança d' O Artista, se trate de um filme mudo (oxalá não seja a preto e branco, porque tal seria um atentado especialmente à imagem do Al Pacino).
Também não gosto de romãs. Nunca gostei de romãs: dão muito trabalho a descascar, e aquilo mesmo depois de descascado, passa-se o tempo a cuspir grainhas. E vieram-me bichanar ao ouvido - um gajo com um tipo abichando - se não queria uma já descascada - romã sublinhe-se, não a Kate nem a a Silvia - sugestão que recusei liminarmente. Que diabo? Romãs? Ali?
E o tempo a passar, o já quase frenético bater de pestanas da Kate, e eu a engolir martinis. "Shaken, not stirred". Nesta altura, dirige-se a mim o anfitrião com uma campainha de mesa na mão - pensei "é agora que ele me vai apresentar à Kate“, que nessa altura fizera emergir uma perna bem torneada (de sonho, como convinha à situação), e a abanava sensualmente através da racha do vestido comprido (a racha também era) verde-esmeralda. O homem, chegado ao pé de mim, levanta a mão, e faz soar a campainha estridentemente.
Foi quando acordei e era a campainha da porta. Levantei-me estremunhado, compus o cabelo e o pijama e abri a porta: não era a Kate, era o empregado da EDP a contar a luz.
Olhei para as horas quando o tipo saiu: tardíssimo. A culpa era do sacana do anfitrião, que se demorara tanto, que da Kate nem pó, só de longe, e ainda por cima me fizera engolir pelo menos seis martinis "Shaken, not stirred". Tomei banho, lavei os dentes - a boca ainda me sabia a papel de música - e vesti-me. Pelo sim, pelo não, uma borrifadela de Eau de Cologne.
Saio de casa, e à esquina da rua apanho um táxi. Rádio sintonizado as notícias. "Uma mulher brasileira de 22 anos, deu à luz a caminho da maternidade de Aparecida. Registou-o sob o nome de Ambulâncio da Aparecida".
Ah! se toda a gente fosse tão prática como a brasileirinha!
E o tipo do táxi:
"Vai aqui um cheiro esquisito, não vai, amigo? Acho que foi daquele mariconço que eu levei à esquina onde o apanhei a si"
Olha o sacana do fogareiro! Seria indirecta?
E eu:
 "Olhe, eu fico mesmo já aqui, se faz favor!".
Definitivamente, mais valia ter passado a noite em claro!

20 comentários:

  1. Agora que vinha aqui ler com mais atenção e comentar, foi-se o texto? :D

    ResponderEliminar
  2. Pode ser um para mim também ;)
    Com direito a azeitona.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Engasgo-me sempre com as azeitonas, Marta :)

      Eliminar
  3. Também queria um sonho assim um dia destes, mas também dispensava as cataratas (partilho o teu medo das alturas) e as romãs, trocava o martini por um malibu e, claro, a Kate por um qualquer Bear Grylls deste Mundo.
    Provavelmente o resultado seria o mesmo, que nos sonhos quase nunca corre como se quer :)

    Bom relato :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quer dizer, mudavas tudo, TR!
      Os Bears não são gay? :)

      Eliminar
    2. O efeito seria o mesmo, simplesmente o adaptei aos meus gostos eheheh

      Que eu saiba, o Bear Grylls não é gay, mesmo que seja, no meu sonho não o seria, pronto :))

      Eliminar
  4. Que sonho! Vic deves acordar cansado de tanta acção durante a noite e a fruta que não te larga, ele é pêras, pêssegos e agora romãs, acho que nem o Freud conseguia descortinar esse reboliço :)

    Nota: maldita EDP, tinha logo de aparecer na melhor parte!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, RST. Isto cá dentro anda tudo muito baralhado :)

      Eliminar
  5. Já que não se pode ser uma estrela em Hollywood, que se seja uma estrela nos próprios sonhos. E o que é isso de uns martinis a mais? Parece que não conheces a fauna que por lá vive, que isso para eles é "peanuts" - estrela que não tenha vícios mais declarados e não tenha recorrido, pelo menos, meia dúzia de vezes a uma clínica de desintoxicação... é fracota! :)))

    Mas já vi que esses sonhos são mesmo muito vividos, para no dia seguinte ainda teres a boca a saber a papéis de música! :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Teté. São mesmo muito reais :)

      Eliminar
  6. Eu gosto de romãs. Como-as de uma forma mais descarada: é só partir ao meio a casca e cá vai disto, trincas seguidas, sem deitar a graínha fora.

    Quanto ao teu sonho... bom... já tive sonhos estranhos com gente ainda mais estranha. Com a Kate nunca sonhei, mas já sonhei com uns e outros que nem às paredes confesso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas dá muito trabalho, S* :)

      É, isso acontece. Eu também tenho alguns...

      Eliminar
  7. "Teria passado a vida
    atormentado e sozinho
    se os sonhos me não viessem
    mostrar qual é o caminho

    umas vezes são de noite
    outras em pleno de sol
    com relâmpagos saltados
    ou vagar de caracol

    quem os manda não sei eu
    se o nada que é tudo à vida
    ou se eu os finjo a mim mesmo
    para ser sem que decida."
    Agostinho da Silva

    Eu gosto de sonhos. De todos. A dormir, acordada e dos de comer :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. também gosto de (alguns) sonhos.
      E só não gosto de romãs, porque dão muito trabalho, nêspera.


      (aguenta até chegar a vez das nêsperas :) )

      Eliminar
  8. Não me admira que os teus sonhos terminem antes do tempo. Então uma tipa daquelas tem de te galar durante meia hora para te decidires a avançar?!? Dois minutos e bastava!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh pá, um gajo tem que se fazer caro, RP :). Ninguém gosta de gajos fáceis!

      Eliminar
  9. Vaporub, algures no imenso caminho que é a vida o sonho e a realidade cruzam-se...*

    ResponderEliminar
  10. c'um raio! não bebas água, não!

    ResponderEliminar

Eu leio todos com atenção. Mas pode não ser logo, porque sou uma pessoa muito ocupada a preencher tempos livres!