sexta-feira, 4 de maio de 2012

Faz hoje um ano: 4 de Maio de 2011, o 1º dia do resto da minha vida

Faz hoje um ano: 4 de Maio de 2011, o primeiro dia do resto da minha vida. No dia anterior fizera a última sessão de uma série de 33 tratamentos de radioterapia, período durante o qual me submeteram também a 3 internamentos de 24 horas para fazer sessões de quimioterapia. Motivo: um carcinoma na laringe, diagnosticado uns meses antes.
De início, os médicos de otorrino tinham-me sugerido que a operação para remoção total da laringe seria a única solução, dado o estado avançado do tumor. Tal, implicaria ficar o resto da vida a respirar por um tubo inserido na base do pescoço e a perda da fala, que poderia recuperar alguns meses mais tarde, embora não da forma tradicional. Aterrorizador,
Contudo, na consulta de grupo onde pela primeira vez me puseram a alternativa de tratamentos em vez da operação radical, a doutora de oncologia médica decidiu por mim, que aquela seria a melhor solução, o que de certa forma me aliviou, mesmo lhes conhecendo alguns dos efeitos secundários.
A quimio, creio que quase toda a gente sabe como se faz: um catéter no braço, o soro a limpar as veias durante 2 horas, a seguir e pela mesma via, a mistura química a percorrer o organismo outras 2 horas. No fim, outra vez o soro, mais 2 horas.
Para a radioterapia fui à escuras. Primeiro fizeram-me um molde da cara, a partir do qual fizeram uma máscara de um material especial, só com aberturas para os olhos e nariz, que me cobria a cara e os ombros. A 1ª vez que vi aquilo, pareceu-me a máscara do Hannibal Lecter. Durante os tratamentos, deitava-me numa marquesa, aplicavam-me a máscara que era fixada à marquesa, de modo a que a minha cabeça ficasse imóvel durante o tratamento. Que não durava mais de 5/7 minutos e era completamente indolor. A máquina "sobrevoava-me" num raio de 180º, e parava em ângulos determinados, de onde irradiava a lesão.
Aparentemente, a coisa era simples. Só me apercebi perfeitamente pelo que iria passar, quando comecei a sentir os 1ºs efeitos secundários. Da quimio, as náuseas, os vómitos, mal-estar potenciado pela radioterapia. Desta, a falta de energia, o não conseguir concentrar-me sequer para ler uma página de um livro, por vezes a impaciência, a queda de parte da barba (esta a menos problemática, por mim até gostaria que tivesse sido total e definitiva), e a tiróide que deixaria de funcionar, obrigando à toma de um comprimido diário ad eternum.
Nunca deixei de conduzir, excepto nas alturas em que fui internado para fazer as 3 sessões de quimio. Saía para ir de vez em quando às compras com a minha mulher ao Corte Inglês, e várias vezes tivemos que abreviar o que estávamos a fazer porque não me aguentava em pé. Deixei mesmo de conseguir ir à rua passear a minha cadela. Subir as escadas exigia a energia de uma subida ao Everest.
Verdadeiramente, não consigo expressar em toda a sua amplitude, aquilo que fui sentindo durante aqueles tempos mais difíceis. Muita vez tive que aguardar mais de uma hora pela minha vez na radioterapia. Era muito difícil, impacientava-me, não aguentava sequer sentado tantas as tonturas.
Como os tratamentos eram interrompidos aos fins de semana, aquilo prolongou-se por um pouco mais de mês e meio. Nunca fui gordo. Tenho uns centímetros mais que o metro e setenta, e nunca pesei acima dos 65 kilos. No fim dos tratamentos pesava pouco mais de 50. Felizmente, já recuperei o peso perdido, mesmo que com muitos sacrifícios pelo meio.
No fim da última sessão respirei fundo. O problema maior foi que os efeitos secundários prolongaram -se. Para ser exacto, até há relativamente pouco tempo, ainda alguns se faziam sentir. A minha voz, por exemplo, só voltou ao normal há cerca de um mês. Até então era-me difícil manter uma conversa ao telefone, faltava-me o ar, faltava-me a voz...
Mas o pior julgava estar passado. Era só esperar pelo resultado dos tratamentos. Uma TAC em Junho deu a imagem de uma laringe limpa. Outra em Dezembro, confirmou o resultado. Uma vistoria efectuada em Abril passado por um dos médicos de otorrino, deu no mesmo. Daqui a um mês, nova TAC. Espero que com o mesmo resultado, mas sempre com a terrível dúvida de uma possível recidiva a pairar sobre mim.
Este ano e tal reforçou a minha ideia de que ninguém é auto suficiente, que ninguém consegue ultrapassar certas fases menos afortunadas da vida sem um amparo. (Aos que o conseguem, a minha admiração). .Pelo menos eu não sei o que teria conseguido fazer sem a minha família, mas principalmente a minha mulher. Sem o seu apoio, a sua paciência para as minhas fases impacientes, o tratar de mim e da casa. Da minha cadelita, a quem ainda agora vai passear de manhã e à noite para eu não apanhar o fresco na garganta sensível. Se ainda havia dúvidas, nestes tempos difíceis ela provou quem é o verdadeiro pilar da família.
Por mim, faço o possível por não pensar muito neste acidente de percurso, mas hoje era quase impossível não o fazer, tal a marca que a data deixou em mim. E tento manter o bom humor. O que nem sempre tem sido fácil.

Nota: - A minha gratidão à Drª Margarida Ferreira, de Oncologia Médica, ao Dr. Eduardo Neto, de radioterapia, e aos técnicos e Enfermeira Albertina da radioterapia do IPO de Lisboa, nunca será suficientemente expressa.

39 comentários:

  1. Realmente é nestes momentos, que aqueles que nos amam, são o nosso amparo, a nossa força!!

    ResponderEliminar
  2. :) beijinhos Vic porque mereces! beijinhos e abraços!

    ResponderEliminar
  3. grande vic! não fazia ideia, talvez porque não tenha chegado aqui ao estaminé assim há tanto tempo…
    tenho acompanhado uma grande amiga num processo semelhante e sei que não são dias fáceis. admiro muito quem consegue passar por isso sem perder a alegria de viver. um grande abraço!...

    ResponderEliminar
  4. A gente ouve falar, mas só quando passamos por elas ou testemunhamos de perto o sofrimento de quem passa é que nos apercebemos bem da fragilidade humana. E de quanto precisamos da família próxima, nesses momentos!

    Enfim, que venham muitos mais anos do resto da tua vida, sem problemas desses! Abraço!

    ResponderEliminar
  5. Tenho uma pequena ideia do inferno por que se passa, aconteceu à mãe de uma grande amiga minha e acompanhei-as desde o início. Ninguém devia ter de passar por tamanho sofrimento, e é de louvar a perseverança e amor, tanto do próprio como de quem o acompanha. Muita saúde, Vic *

    ResponderEliminar
  6. Lamento muito. Esta descrição é de apertar o coração. E ainda bem que tiveste uma família muito presente, ao teu lado... numa fase assim difícil é crucial.

    ResponderEliminar
  7. A parte boa é que pareces já estar a regressar desse Inferno, e isso é o mais importante.

    ResponderEliminar
  8. Não fazia ideia, meu caro. Um enorme abraço e estou certo tudo irá correr bem.
    JC

    ResponderEliminar
  9. Um amigo meu teve o mesmo tipo de cancro na laringe, por estranho que pareça, está a ser tratado com medicinas alternativas, depois de ter sido operado vai para ano e meio. Nunca fez quimio, ainda hoje tem algumas tonturas, a voz alterada, por vezes falta de energia. Está limpo, dizem os médicos, e com força de vencer. Para ele, também a mulher foi o pilar essencial.
    Está a recuperar muito bem, mas foi uma fase terrível a que passou.
    "Esta merda de doença" já lá dizia o Miguel (Portas), atinge-nos a todos.
    Testemunho fantástico o teu. Seguramente és um vencedor.

    epá o mau humor que tivémos que aguentar...é mesmo assim, o principal é acreditar que tudo vai correr bem. Acreditar, e nós acreditamos.
    Grande ABRAÇO.

    ResponderEliminar
  10. a saúde o bem mais precioso tal como o amor, não vale a pena perder-se o tempo com mexeriquices, e outras maldades sem sentido.
    não perdeu o seu bom humor o que é um triunfo verdadeiro.
    conhecemos sempre alguem a passar ou que já passou pelo mesmo, fundamental os amigos, a família.
    devo dizer que os serviços do IPO fazem-nos regressar a casa com a certeza de tudo ir correr bem. são das poucas coisas boas nos nossos serviços de saúde.
    tudo de bom.

    ResponderEliminar
  11. choac passarinho!!!!!

    lost in translation ;)

    ResponderEliminar
  12. Puxa, Vic, eu também não sabia. Faço uma pequeníssima ideia desse inferno, porque nos últimos 2 anos tive (e tenho) duas pessoas próximas numa luta semelhante. Sinto-me sempre tão pequenina face à coragem que demonstram perante tanto sofrimento, que quase nunca falo e só as abraço. Fica aqui um abraço meu também, Vic.

    ResponderEliminar
  13. Vic, espero que a todos os 4 de Maio vindouros estejas a escrever um post a dizer que está tudo bem. Tive um caso parecido de uma pessoa próxima e é fundamental o apoio dos que são próximos. Abraço.

    ResponderEliminar
  14. Caramba, nem sei que diga. Uma provação! Desejo sinceramente que se mantenha a boa estrela destes últimos meses, e a cura seja definitiva :)

    ResponderEliminar
  15. lá o humorzinho parvo mantiveste :P

    (és o maior, Vdeida. e eu não vou dizer mais nada, porque tu já sabes :)*)

    ResponderEliminar
  16. desejo a continuação de tacs limpas :)

    ResponderEliminar
  17. Poderia dizer-te aqui muitas coisas, emocionei-me ao ler-te, lembrei-me do sofrimento que passaram algumas das minhas pessoas, principalmente a minha tia Inês, que não lhe resistiu, mas a ti, quero só deixar um abraço, daqueles que se dá aos amigos quando ficamos sem palavras para expressar aquilo que estamos a sentir.

    ResponderEliminar
  18. Eu sabia! Eu sabia que eras um lutador e um herói! :)

    ResponderEliminar
  19. Espero que continues a ter resultados bons nos exames.E desejo tudo de bom para o resto da tua vida Vaporub( desculpa não resisto)!**

    ResponderEliminar
  20. Espero que continue a correr tudo bem :)

    ResponderEliminar
  21. para mim o meu pilar foi a minha mãe.
    quando eu deveria estar a tomar conta dela está ela com 82 anos a tomar conta de mim.
    não tenho carcinoma. tenho diabetes e mais complicações, a minha vida há dois anos para cá tem sido para esquecer.

    depressão e muitas muitas complicações, o vir aqui ler o seu depoimento deu-me alento, por estranho que pareça.
    muito obrigado
    para si desejo o melhor
    Fernando

    ResponderEliminar
  22. Esta é para te lembrares deste 4 de maio :)

    http://youtu.be/2zqFDRA1HY8

    ResponderEliminar
  23. Emocionei-me ao ler o teu testemunho (de uma realidade que conheci bem e que nos venceu). És um lutador, e tens uma grande senhora ao teu lado, isso é o que celebramos agora.

    Bjs

    ResponderEliminar
  24. A todos vocês o meu bem hajam.

    P.S. - uma palavra para o anónimo Fernando: meu caro, desejo-lhe tudo de bom, e especialmente muita força para vencer primeiro a depressão. É a depressão que não nos deixa ir em frente. Vencida, tudo se tornará mais fácil, julgo eu. Fico feliz, por de certo modo, ter podido ajudar.
    Mais uma vez, tudo a correr pelo melhor

    ResponderEliminar
  25. Impossível não me emocionar com este teu relato. Tu e a tua mulher fizeram das fraquezas, forças. E, graças ao poder do amor, vão conseguindo ultrapassar, passo a passo, os maus momentos porque que passaram. Que a vida, e a saúde, vos continue a sorrir!

    ResponderEliminar
  26. Não tenho mt mais a acrescentar ou a dizer. Só sei que o sofrimento gera forças e coragens que sabe bem serem reconhecidas, vividas, sentidas, partilhadas.
    Desejo a continuação dessa força, da presença de pilares, de partilhas.
    Por muitos e muitos anos. Com tudo a correr pelo melhor, mas com a certeza que das fraquezas nascem forças e laços mais intrínsecos do que o que se poderia imaginar/ esperar.
    Um beijo grande, do tamanho do mundo. No Vic e na sua mulher-companheira.

    ResponderEliminar
  27. Desconhecia esse momento, talvez por que seja "nova" por estas bandas.
    Li e, hoje, mais do que nunca sinto uma grande admiração por ti.
    Venceste essa luta e fico feliz por isso.

    Um beijinho especial e bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  28. Muito, mas muito feliz por ti :)

    Cadês
    Almofariza

    ResponderEliminar
  29. Stilleto, Mesmica, Marta e Almofariza: a vocês também o meu bem hajam pelas palavras e pelos votos :). Não tenho outra maneira de agradecer o vosso carinho e apoio :)

    ResponderEliminar
  30. Que a partir daquele dia a vossa vida tenha passado a ter um novo "sabor". É bom saber que há pessoas que sobrevivem às coisas más com sucesso...mais além de ters ultrapassado essa fase menos boa continuas a ser uma pessoa positiva, alegre e de certeza muito mais grato a tudo e todos. beijos nossos

    ResponderEliminar
  31. Bom humor, sempre. Sempre! Ok?

    Abraço.

    ResponderEliminar
  32. Lemos diáriamente os blogs que gostamos, sabemos muitas das coisas que esses bloggers gostam, vêm, pensam. Mas nunca imaginamos o que passaram, as suas vidas por completo.
    Fiquei triste por saber o que tiveste de passar mas feliz por teres superado. Parabéns pela força ;)

    ResponderEliminar
  33. Li o teu texto há uns dias (no telemóvel, porque estava sem o computador) e não tive uma frase suficientemente significativa para te dizer. Achei que tudo o que pudesse acrescentar ou já alguém tinha dito ou era insignificante. No entanto, fiquei a pensar no que te aconteceu e tive de cá voltar. Dizer-te que, de vez em quando, a vida nos dá estas pauladas na nuca mas, se as sentimos, é porque estamos cá. E isso, é um excelente sinal! Ainda bem que superaste :)

    ResponderEliminar
  34. Vic

    O médico que me operou teve o mesmo problema, tinha por hábito entrar nas salas de raio x sem protecção!
    Quando foi detectado estava em estado muito avançado,teve que ir para NY,porque cá estava morto e, felizmente correu tudo bem e ficou a exercer medicina nos EUA.

    Disse-lhe uma vez que quem salva uma vida salva o mundo, salvou a minha e felizmente a dele também.
    Quanto a si, ainda bem que tudo correu bem!!!

    ResponderEliminar

Eu leio todos com atenção. Mas pode não ser logo, porque sou uma pessoa muito ocupada a preencher tempos livres!