quarta-feira, 7 de março de 2012

O Mar de Sophia


O que mais admiro nos poetas, é a sua capacidade de, com poucas palavras, conseguirem dizer mais do que eu diria num extenso texto

Mar
De todos os cantos do mundo
Amo com um amor mais forte e mais profundo
Aquela praia extasiada e nua
Onde me uni ao mar, ao vento e à lua


(Sophia de Mello Breyner Andersen)

10 comentários:

  1. A poesia e a música têm essa capacidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Têm mesmo, Apple :) Por isso é que tantas vezes, andam tão ligadas..

      Eliminar
  2. O poema da Sophia, bem ilustrado na imagem de Corto Maltese! Mas tens razão, os verdadeiros poetas têm essa capacidade. Acontece que os que têm a mania que são poetas, fazem precisamente o contrário: escrevem muito e rebuscado, para nem se perceber qual é a ideia! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu às vezes tento, Tété. Mas nem sei se as posso considerar poesia :)

      Eliminar
  3. Também gostas da poesia da Sophia?

    Tu não abordaste a questão de forma alguma desabrida, eu que escrevo comentários sem estar bem dentro do assunto, pois como sabes, vivo em Düsseldorf e, só apanho alguma coisa sobre o nosso país quando vou ao Porto, a cidade da Sophia e também a minha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que gosto, Ematejoca.
      O resto é passado :)

      Eliminar
  4. É incrível, com tão poucas palavras, mexem tanto connosco e nos fazem pensar.

    ResponderEliminar

Eu leio todos com atenção. Mas pode não ser logo, porque sou uma pessoa muito ocupada a preencher tempos livres!