quarta-feira, 14 de março de 2012

Um dia peculiar

Ontem foi um dia peculiar.
Levantei-me normalmente, tomei um duche, aprontei-me - uma roupa já mais leve, que, ao que parece, a primavera antecipou a chegada - e fui até ao café aqui da esquina para um pequeno almoço frugal: um café e um pão com manteiga. Ao balcão.
A meu lado, um tipo que não conhecia. Baixo, atarracado, um pouco desleixado e de cabelo oleoso. Sou até um pouco distraído, mas reparei nele pelo tom excessivamente alto com que pediu ao empregado o que queria:"Uma mine e uma sande de presunto, faxavor", de mão direita esticada. A mão era grossa e as unhas roídas, excepto a do dedo mindinho que sobressaía das outras pelo tamanho pouco habitual. Devia estar nervoso, porque enquanto esperava, desatou a roer desatinadamente uma das unhas, enquanto mantinha a esquerda na algibeira.
Até que chegou o pedido, e ele atirou-se á "sande". De repente largou-a, enfiou a mão na parte de trás das calças até atingir o ponto certo (muito íntimo, acrescento eu), começando então a coçar furiosamente. Passadas as comichões, retirou a mão e, calmamente agarrou o resto da sande e devorou-a em três dentadas.
Nessa altura, já não me estava a saber muito bem o pão com manteiga. Mas desisti mesmo quando o homem, ao mesmo tempo que pedia para pagar acenando com uma nota de 5€ na mão esquerda, enfiou a mão direita - sim, a mesma que segurara a "sande" e se coçara nas partes íntimas - na boca, e com aquela unha enorme do dedo mindinho começou a palitar os dentes.


Depois de uma tarde pouco interessante, e pelas 5 da tarde, saí de casa para cumprir o doloroso dever de ir ao funeral da avó do Luís.
Quando cheguei, estava ele encostado a uma parede, auscultadores do mp3 nos ouvidos enquanto que meneava a cabeça cadenciadamente.
Toquei-lhe num braço ao que ele se virou para mim e disse:
- Green Onions!
Abanei-o outra vez até que ele tirou os auscultadores dos ouvidos e inquiriu:
- Que foi, pá?
- Então mas tu estás no funeral da tua avó e com isso ligado?
- Que se lixe! É para ver se isto anima um bocado!
O Luís é um fanático do jazz, especialmente do tradicional. Ao que parece, também curte funerais animados.
Pelos vistos, para ele, New Orleans será o paraíso na terra.

22 comentários:

  1. Entre ouvir malta a carpir mágoas e Jazz, acho que a opção do teu amigo
    Luís, ainda que estranha num velório, foi a ideal.
    Eu teria feito o mesmo. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, Troll. Mas há sempre quem não ache piada :)

      Eliminar
  2. belos funerais de Nova Orleães. acabam por não ser funerais mas sim cortejos porque os mortos não vão para um cemitério, vão para a "Cidade dos Mortos".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É Moyle. Penso que as gentes depois de mortas, tanto se lhes faz o modo como lhes fazem o funeral :)

      Eliminar
  3. Essa descrição meteu-me nojo. Gosto de pensar que isso são imagens inventadas na nossa cabeça mas a verdade é que existe gentalha assim.

    Agora ouvir jazz no funeral da avó... credo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas olha, S*, foi mesmo assim. Ainda há tipos com poucas noções de higiene.
      P.S.- O Luís é um original, um optimista.E a avó dele se calhar nem se importou :)

      Eliminar
  4. Xi, pá, esse homenzinho nojento tira o apetite a qualquer um! :P

    Animar o funeral da avó, também é coisa da qual nunca tinha ouvido falar. Espero que a família tenha adorado a criatividade e inovação que o Luis quis imprimir ao momento. Na minha, não teria muita sorte! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tirou mesmo, Teté!
      Quanto aos funerais, nunca viste os funerais de New Orleans ou da China? Aquilo é uma pândega :)

      Eliminar
  5. Olá... Obrigada por visitar meu blog e seguir também. Apareça quando quiser, será bem vindo sempre.
    Tenha um ótimo dia.
    OBRIGADA PELA AMIZADE!
    Fica com o Papai do Céu.
    Aus 1000 e Beijos 1000 de minha mamãe ...

    KIPPY & LILLY

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Kippy e Lilly pela gentileza :)
      A Pink também agradece e manda uns aus e lambidas :)

      Vic

      Eliminar
  6. O gajo do café não era o coveiro? :|

    ResponderEliminar
  7. Acho que entre uma coçadela e uma unhaca a palitar, tinha-me dado um refluxo gástrico!!!

    Quanto ao Luís, só posso afirmar que tem um excelente gosto musical, se faria o mesmo provavelmente não, mas as pessoas são diferentes e sentem de maneira diferente o que interessa são as atitudes que se têm em vida, depois já não há nada a fazer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem me fales em refluxos gástricos, RST.
      E como disse, o Luís é um original. Nada a fazer com ele, embora no fundo até pense que ele não estava errado de todo :)

      Eliminar
  8. Esse começo de dia é coisa para revolver as entranhas. Felizmente esse espécimen é cada vez mais raro (quero acreditar)e a moda da unhaca do dedo mínimo a competir com o tamanho do anelar é uma imagem que escasseia.

    Quanto ao fim do dia,é tudo uma questão de gestão das perdas, e a música é sempre uma boa aliada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ainda bem, não é Apple. Se calhar se fosse mais comum, despistado como sou, nem tinha reparado :)
      E no resto tens razão. O Luís escolheu a paixão ao choro de carpideira alugada.

      Eliminar
  9. obrigada por me teres feito bolsar a minha spremuta matinal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tive culpa. Ou queres que ponha bolinha vermelha no canto esquerdo superior de cada post, para avisar os estômagos mais sensíveis) :)

      Eliminar
    2. olha, se não for muito incómodo....

      Eliminar
    3. Vou por um aviso "cuidado, conteúdo indigesto", ok? :)

      Eliminar

Eu leio todos com atenção. Mas pode não ser logo, porque sou uma pessoa muito ocupada a preencher tempos livres!