quinta-feira, 1 de março de 2012

Tangas


Apesar de os tratarmos afectuosamente por “nuestros hermanos”, é fácil constatar que as relações dos portugueses com os espanhóis nem sempre são amistosas, embora nas últimas décadas se tenham atenuado animosidades. Claro que aqui e ali vão surgindo pequenos fogos como é o caso da “guerra das laranjas”, reacendida pontualmente por meia dúzia de maduros” amigos de Olivença”, ou, nos casos mais publicitados, na vida difícil que o treinador e jogadores lusos do Real Madrid têm com a imprensa e uma parte da “aficcion” espanhola.
Conheço-o há vários anos, frequentamos o mesmo café, falamos - geralmente, é ele que fala e eu ouço - mas não somos amigos. Conhecidos, vá. Somos muito diferentes em todos os aspectos, e eu acho alguma graça na sua maneira de ver a vida, embora essa esteja, também ela, longe da forma com que encaro a minha. Mas é um original, um filósofo, que vive de expedientes.
Uma descrição breve: é moreno, meão e entroncado, barba cerrada, muitas vezes por desfazer - não daquelas propositadas de 3 dias, mas desmazelada - cabelo muito escuro negro, denso, penteado para trás. É um frequentador assíduo da feira de Carcavelos, sítio de onde é abastecido o seu guarda-roupa: ténis Mike, calças Doce Cabana, camisas Armandi(que usa sempre com pelo menos 3 botões desabotoados), blusões Faztonabo, enfim, é por aí.
O episódio que a seguir relato, passou-se há uns tempos largos, mas veio-me à cabeça face ao recente episódio envolvendo José Mourinho, e a sua alegada (o que eu gosto desta palavra) homofobia e os termos que deram origem ao incidente.
Veio ter comigo e disse-me:
Outro dia, e pela 1ª vez, entrei na Pastelaria V. Sabes que aquilo ali há muita gaja entradota à procura de macho?”
O quê? estás a dizer que a V é uma espécie de bar de alterne?”
É verdade. Até falei com o X que me confirmou que já lá sacou algumas. Estou a pensar tentar a minha sorte, que ando um bocado á rasca de massas
Estás a pensar tornar-te chulo?” Não é chulo, pá. Tem outro nome. Estrangeiro”.
“Gigolô?”
“Isso!Isso mesmo

Abreviando, decidiu-se mesmo a tomar aquele passo. Mas pior, conseguiu convencer-me a ir com ele “Sabes como é, estás mais habituado àqueles ambientes finos. Ias ajudar-me a sentir-me mais á vontade”. A princípio renitente, lá acabei por aceitar: “Ficas-me a dever essa, ok?”
No dia, aparece-me com uma camisa branca aberta até á barriga, com o pelame do peito e um fio dourado e grosso com um crucifixo, umas figas e mais 2 ou 3 penduricalhos não identificáveis à mostra. Um fato escuro, muito bem engomado, mas cujo casaco só lhe chegava a meio do rabo e com umas bandas demasiado grandes. Sapatos um bocado gastos, mas muito engraxados, quase tanto como o cabelo negro, empastado e penteado para trás. Uns óculos escuros Vay Ban compunham o retrato. Julgava eu. A precedê-lo, um cheiro pavoroso a “perfume” rasca, intenso, “Onde é que te meteste para arranjar esse cheiro?”
Não percebes nada disto. É um perfume espanhol que a minha tia Deolinda lá tem. Trouxe-o de Badajoz ainda antes do 25 de Abril. Uma preciosidade. Vamos?” - Calei-me e segui-o mantendo para ele uma distância cautelosa.
Chegados, ele escolheu uma mesa em sítio estratégico, com vista para todo o salão da pastelaria e de onde poderia localizar a vítima. Que não demorou: “Vai ser aquela”.
Apontava para uma senhora que teria decerto 70 anos ou mais, um pequeno chapéu com 2 penas no cocuruto de uma cabeleira cinzenta azulada muito ripada, e uma cara que parecia ter levado um balde de reboco, de olhos pequenos encimados por um par de sobrancelhas que se resumiam a duas semi-circulares desenhadas a lápis. A boca era um borrão de baton vermelho. Nos ombros, uma estola de raposa conferia com tudo o resto: uma senhora á moda antiga. Muito antiga.
Levantou-se, apertou o casaco, movimento que fez abrir a racha traseira do casaco deixando-lhe o rabo redondo á mostra, e dirigiu-se à mesa da senhora com um andar insinuante, cabeça levantada, sorriso nos lábios. Atrás dele, o pivete do perfume espanhol.
Confesso que estava um pouco envergonhado. De todo queria que notassem que aquele tipo era meu companheiro de mesa, pelo que fui chegando a cadeira devagar até ficar um pouco escondido atrás de uma coluna, mas de forma a apreciar a conquista.
Lá chegado, e mantendo o sorriso níveo sempre dirigido á senhora, puxou uma cadeira fazendo menção de se sentar a seu lado e começar a abordagem.
Foi então que se deu o (in)esperado. A senhora bradou numa voz esganiçada:
- Jesus! (pronuncie-se “Résú”) Qué fédor! Vate-le! A mi no me gustan a los maricones!
(ele nunca mais quis ouvir falar de espanhois)

14 comentários:

  1. Maricones. ahahah

    Bom, não há nada pior do que aqueles perfumes rascas que cheiram a insecticida. Pela descrição do teu "amigo", seria desses. :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que era um perfume espanhol chamado Tabu. Uma maravilha. O cheiro impregnou-se-me no casaco e nem depois de 3 lavagens a seco saiu! :)

      Eliminar
  2. sabes como diz o outro
    se a ti te gusta, a mi me encante

    se a ti no te gusta... bem, isso já é problemático :P


    (desculpando o termo, mas caralho lá poh blogger)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Resumindo, não gostaste da saída da espanhola. Por supuesto :)

      Eliminar
  3. Hilariante! adoro quando esses que têm a mania que são o verdadeiro macho latino, são envergonhados.

    Quanto ao teu vizinho, já dizia a minha avó: "De Espanha nem bom vento,nem bom casamento"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheheh! Embora casamento fosse a última coisa que ele procurasse...

      Eliminar
  4. Ahahah, essa dos espanhóis serem os nossos inimigos vem do tempo da antiga primária, onde as grandes façanhas da nossa História passavam por dar porrada nos castelhanos... com o tempo, passou! :)))

    Agora que tens conhecidos estranhos, lá isso é verdade! Vale que esse "pintas" deu para umas boas gargalhadas deste lado... :D

    ps - imagino o pivete de um perfume (ou colónia?) ao fim de quase 38 anos... =))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perfume(?) Tété! Concentradíssimo! Terrível!

      Eliminar
  5. Ai, que ainda não tinha lido isto e está tão bom!
    Quando eu tiver mais de 50 apresentas-me esse teu "amigo"?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LOL!!! Com todo o gosto. Só espero que então já se lhe tenha esgotado o stock de perfume.

      Eliminar
  6. Com sorte terá sido o meu olfato a esgotar-se!

    ResponderEliminar

Eu leio todos com atenção. Mas pode não ser logo, porque sou uma pessoa muito ocupada a preencher tempos livres!