quarta-feira, 21 de março de 2012

O Acidente

Relato este episódio, absolutamente verídico, porque, numa sociedade ainda muito cheia de preconceitos de todo o tipo que nos transforma no povo triste que somos, o achei quase surreal.
Zé, (nome fictício) trabalhou na mesma empresa que eu durante alguns anos. Era - suponho que ainda é - um tipo extrovertido, muito bem educado, divertido e que se apresentava sempre impecavelmente. Além disso, era gay. E não fazia da sua opção sexual qualquer segredo, isto apesar da estrutura da empresa não ver com muito bons olhos esse tipo de questões publicitadas, para mais, trabalhando o Zé no Marketing e portanto, com constantes contactos com o público.
Um dia, soube que M. teria tido um grave acidente de automóvel. Imaginei que tivesse sido em serviço, uma vez que estávamos a meio da semana. Liguei para o seu serviço e indaguei sobre o que acontecera e só me souberam dizer que tinha sido na noite anterior, e que teria sido realmente grave, encontrando-se ele em coma. Nos dias seguintes foram surgindo notícias que davam conta de que o acidente teria contornos algo insólitos, mas ninguém sabia contar o que realmente se passara. No fim da semana seguinte, foi-me comunicado que Zé saíra de coma e que estava em recuperação. Fiquei mais descansado e passado uns dias quase nao me lembrava dele, sabendo só de quando em vez que ele estava a melhorar, mas que ainda iria demorar até voltar a trabalhar.
Passados sensivelmente 6 meses, encontrei-o na sede da empresa, já completamente recuperado, e de posse da sua habitual boa disposição. Cumprimentou-me com a exuberância natural nele, perguntei-lhe se estava restabelecido e sem perder tempo - a curiosidade é uma coisa lixada - perguntei-lhe:
- Ouve, soube que o teu acidente foi um bocado estranho. Conta- me lá, o que se passou? - ele riu- se e respondeu:
- Bem, foi realmente invulgar. Ia para casa, e quando passei por debaixo de um viaduto ali
em Benfica, um tipo que ia a passar por cima, despistou-se e caiu com o carro em cima do meu. Isto contaram-me depois, claro, que eu só senti o impacto, nao me lembro de mais nada. O meu carro ficou parecia uma bolacha e eu, com umas quantas fracturas. Os médicos dizem que foi um milagre ter sobrevivido.
- Acredito. Mas que coisa tão estranha, Zé.
- Pois foi. Mas no meio daquilo tudo houve uma coisa gira - disse-me ele a rir.
Coisa gira? Num acidente com aquela gravidade? Estranhei mas como já lhe conhecia as
originalidades, fiquei a espera do que ali viria.
- Sabes? já me caíram alguns homens em cima, mas enlatado foi o primeiro!

12 comentários:

  1. ...ahahahahahahahahaha...


    (e pronto, foi o meu primeiro comentário aqui, não prometo um futuro risonho, pois não?) :)

    ResponderEliminar
  2. Ahahah, que grande sentido de humor que tem esse Zé/M. E esse viaduto que falas em Benfica é um autêntico cancro: bastam 5 minutos de chuva, para os despistes se sucederem atrás uns dos outros... Não sabia é que alguém já tinha galgado aquilo e caído cá em baixo! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem mesmo, Teté. Um tipo impecável :)

      (pode não ser o mesmo viaduto, Teté. Não sei bem em qual foi)

      Eliminar
  3. ao menos não foi uma traseirada violenta. isso era tããããããããõ cliché!

    ResponderEliminar

Eu leio todos com atenção. Mas pode não ser logo, porque sou uma pessoa muito ocupada a preencher tempos livres!