domingo, 18 de março de 2012

Vistos e revistos - Ao domingo, um filme (3)

O Quarto do Filho, de Nanni Moretti


"O Quarto do Filho", relata fielmente aquela que será uma das maiores tragédias que pode atingir uma família: a perda de um filho.
Uma familia comum: pai(protagonizado pelo próprio Nanni), mãe e dois filhos, um rapaz e uma rapariga, ambos adolescentes. O pai é um psicanalista que trata dos seus doentes como se de família se tratasse, ela, uma mulher segura e realizada com o seu trabalho, editora de livros, e os dois jovens, absolutamente normais, saudáveis, felizes.
Até que num fim de semana programado para ser "fim de semana de família", o pai é chamado de urgência para atender um doente. A sua dedicação à profissão fá-lo deixar os seus, e o filho, uma vez "o fim de semana de família" adiado, decide ir com amigos fazer mergulho, o seu passatempo favorito. E é durante um dos mergulhos que o rapaz acaba por morrer no mar, devido a uma embolia.
A partir dessa altura, assiste-se ao drama pungente da família, das suas tentativas aparentemente vãs de seguirem com a sua vida, mas com a dor a prevalecer sempre. E assiste-se ao desmoronar emocional de todos e cada um dos membros da família, impotentes para aceitar a fatalidade que naquele dia os atingiu.
É, como disse, um dos mais apaixonantes, ternos, doloridos filmes a que já assisti, de tal forma intenso que aquela dor me tocou como se eu também fizesse parte daquela família.
Classificar de algum modo o filme, parecer-me-ia de todo descabido.

8 comentários:

  1. Tenho de ver. Gosto de histórias fortes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É imperdível, S`. Um vulcão de sentimentos

      Eliminar
  2. Been there... fiquei curiosa de ver o filme, talvez seja terapêutico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se será terapêutico. Mas mexe muito com os sentimentos TR :)

      Eliminar
    2. Vou pôr em lista de espera por enquanto, senão dá-me uma coisinha má :)

      Eliminar
  3. Não vi, mas conheço a história. Daí talvez ainda não o ter visto, que há histórias que têm de esperar uma certa disposição... ;)

    ResponderEliminar
  4. Ah! essa é imperdoável. Protelar um filme destes, Teté? :)

    ResponderEliminar
  5. Caro Vde Almeida,

    Em resposta ao teu comentário, ao qual desde já agradeço, devo dizer que não conheço o actual SEC, nem pessoalmente nem literariamente. Nem tenho qualquer interesse.
    E também concordo contigo, há coisas melhores do que ler. No meu post apenas disse que era das melhores coisas a fazer...

    Abraço,

    ResponderEliminar

Eu leio todos com atenção. Mas pode não ser logo, porque sou uma pessoa muito ocupada a preencher tempos livres!